terça-feira, 28 de abril de 2009

A boneca e a rosa amarela


Fui ao mercado comprar uns presentes. Quando vi todas aquelas pessoas, comecei a reclamar comigo mesma:
-“Isto vai demorar a vida toda e ainda tenho tantas coisas para fazer e outros lugares para ir. Como gostaria de poder deitar-me, dormir e só acordar após ter passado toda essa bagunça.”
Sem notar, andei até à seção de brinquedos e lá, comecei a bisbilhotar os preços e a imaginar se as crianças realmente brincam com esses brinquedos tão caros.
Enquanto olhava a seção de brinquedos, notei que um menino de mais ou menos 5 anos estava agarrando uma boneca e olhava-a tão triste que tentei imaginar para quem seria aquela boneca que tanto apertava.
O menino virou-se para uma senhora junto dele e disse:
- "Vovó, tem certeza que eu não tenho dinheiro suficiente para comprar esta boneca?”
A senhora respondeu: “
- Você sabe que teu dinheiro não é suficiente, meu querido!”
E perguntou ao menino se ele podia ficar ali, olhando para os brinquedos por mais 5 minutos, enquanto iria ver outras coisas.
O menino continuava a segurar a boneca em suas mãos.
Finalmente, comecei a andar na sua direção e perguntei a quem queria dar aquela boneca e ele respondeu:
- “Esta é a boneca que a minha irmã mais adorava. Ela acreditava que nosso pai lhe daria este ano.”
Eu disse-lhe:
- “ Não fique tão preocupado, acho que ele irá dar a boneca à tua irmã.”
Mas ele me disse triste:
- “Não, me pai não poderá levar a boneca onde ela está. Tenho que a dar à minha mãe e ela poderá dar a boneca à minha irmã, quando ela for lá”.
Os seus olhos encheram-se de lágrimas enquanto falava:
- “A minha irmã teve que ir embora para sempre. Meu pai me disse que minha mãe também irá embora para perto dela, em breve. Então, pensei que minha mãe poderia levar a boneca e entregar a minha irmã”.
O meu coração parou de bater.
Aquele menino olhou para mim e disse:
- “Eu disse ao papai para dizer à mamãe para não ir ainda. Eu pedi-lhe que esperasse até que eu voltasse do mercado”.
Depois mostrou-me uma foto muito bonita dele rindo e disse-me:
- “Eu também queria que a mamãe levasse esta foto, assim ela não se esqueceria de mim. Eu amo a minha mãe e não quero que ela parta agora, mas o meu pai disse que ela tem que ir para ficar com a minha irmãzinha”.
Aí ele ficou a olhando para a boneca com os olhos tristes e muito quieto.
Eu rapidamente procurei minha carteira e peguei algumas notas e disse para o garoto:
- “E se contassemos novamente o seu dinheiro, só para termos a certeza de que tem dinheiro para comprar a boneca?”
Juntei as minhas notas ao dinheiro dele, sem que ele se percebesse e começamos a contar. Depois de contarmos, o dinheiro dava para comprar a boneca e ainda sobrava uns trocos. E o menino orou:
- “Obrigado Senhor por atender ao meu pedido e ter me dado dinheiro suficiente para comprar a boneca.”
Aí ele olhou-me e disse:
- “Ontem antes de dormir, pedi a Deus que fizesse um milagre para que eu tivesse o dinheiro suficiente para comprar a boneca e assim minha mãe poderia levar. Ele ouviu-me… e eu também queria dinheiro para comprar uma rosa amarela para a minha mãe, mas já não ousei pedir mais nada. E Ele me deu o dinheiro suficiente para comprar a boneca e a rosa amarela. Sabe, minha mãe adora rosas amarelas.”
Uns minutos depois, a senhora voltou e eu fui embora sem ser notada. Terminei as compras num estado de espírito totalmente diferente daquele com que havia começado. Entretanto, não consegui tirar aquele menino do pensamento.
Então lembrei-me de uma notícia no jornal local, já com dois dias, que mencionava que um bêbado, numa caminhonete, bateu num carro onde estava uma jovem senhora e uma menina. A criança havia falecido de imediato e a mãe estava em estado grave no hospital e que a família havia decidido desligar as máquinas, uma vez que a jovem não sairia do estado de coma.
Pensei se seria a família daquele menino?
Dois dias após o meu encontro, li no jornal que a jovem senhora havia falecido.
Não pude conter-me e saí para comprar um ramalhete de rosas amarelas e fui ao velório daquela jovem…
Ela segurava uma linda rosa amarela nas suas mãos, junto com a fotografia do menino e com a boneca ao peito.
Deixei o local chorando, senti que a minha vida tinha mudado para sempre.
O amor daquele menino pela sua mãe e irmã continua gravado na minha memória até hoje.
É difícil acreditar que numa fração de segundo, um bêbado tinha tirado tudo aquele menino.
Obs.: Recebi essa mensagem pelo email e confesso que chorei. Fiquei imaginando que esse fato vem acontecendo tanto hoje em dia. Ultimamente, é tão "normal" ouvir histórias sobre pessoas bêbadas que causam sofrimentos e mortes.
Não sei falar quem é o autor. (se alguém souber, me avise)

4 comentários:

Lu Périco disse...

Oi querida!
Vim dar uma espiadinha e deixar um beijo. A mensagem é mesmo pra se pensar.
Um beijo grande e obrigada por me incluir em seus passeios!!!

Sabrith disse...

Ola Elen
Estou aqui deixando esse coment com lágrimas nos olhos... e não há o que comentar!

PATRÍCIA disse...

Triste mesmo, Elen... Mais triste ainda, é q não é só mais uma história, é fato. E cada vez mais frequente mesmo. Tb chorei....

Obrigada amiga por seu carinho...
Bjo grande.

PATRÍCIA disse...

Triste mesmo, Elen... Mais triste ainda, é q não é só mais uma história, é fato. E cada vez mais frequente mesmo. Tb chorei....

Obrigada amiga por seu carinho...
Bjo grande.